Conselhos e informações exclusivos para os especialistas em esportes de raquete

PT chevron bas

PARTNERSHIP 08.06.2018

No Serviço de Raquete e de Encordoamento Oficial, a tensão é grande.

Já faz agora 8 anos que a Babolat garante o serviço de raquete e de encordoamento de Roland-Garros. Durante três semanas, mais de 17 encordoadores vão estar preparando as raquetes dos jogadores numa atividade contínua e às vezes sob intensa pressão. Vejamos mais de perto.

Assistimos a um verdadeiro balé aqui no Serviço de Raquete e de Encordoamento Oficial proporcionado pela Babolat dentro do RG Tennis Club. Como numa colmeia, cada um cumpre sua tarefa com uma precisão cirúrgica, onde nada é deixado de lado. Assim que a raquete é trazida à recepção, são recolhidas as importantes informações dadas pelos jogadores ou, na maior parte das vezes, pelo treinador ou por alguém próximo ao jogador: “Para Rafael Nadal, muitas vezes é o Carlos Moya que vem. Na verdade, depende do caso. De qualquer forma, esta recepção é crucial. Trata-se de tomar as informações corretas sobre a tensão e o encordoamento”, explica o responsável do Serviço de Raquetes e de Encordoamento, Eric Ferrazzi.

Para maior eficiência, tudo é computadorizado. Estamos longe da caderneta e do lápis dos anos 80. Uma vez que a raquete é deixada aos cuidados da equipe, o balé pode começar. Em Roland-Garros, há uma etapa indispensável antes de encordoar: o encordoador troca a tradicional braçadeira pela lata de ar comprimido: “Basta um grão de saibro mal instalado para que a corda quebre ao ser posicionada, então somos obrigados a limpar a raquete. Assopramos os grommets com o ar. Limpamos. Basicamente, cuidamos da raquete com carinho”. E aí os dedos de fada dos encordoadores profissionais começam um movimento contínuo.

Em Roland-Garros, é obrigatório limpar as raquetes antes de se colocar a corda. Um grão de terra batida mal posicionado e é quebra por certo da corda quando do encordoamento.

Estes experts da corda são antes de tudo verdadeiros profissionais, prontos para ficar até tarde da noite para responder aos pedidos dos campeões: “”Alguns jogadores pedem para que sua raquete seja encordoada sempre pela mesma pessoa. Para Rafael Nadal, este ano, é sempre o Josh Newton, um americano. Enfim, todos sabem que uma tensão não respeitada pode mudar o curso de uma partida. Nosso objetivo é ser o mais preciso possível. Quando se tem um pedido clássico e segundo o fluxo global dos pedidos, o tempo de encordoamento gira em torno de 20 a 25 minutos. A ideia não é de fazer rápido quando não houver uma urgência””, comenta Eric Ferrazzi. Por outro lado, essa calma relativa muda totalmente quando um jogador faz um pedido “”on court””. “”É realmente o momento quando há mais tensão. Cada segundo conta. O objetivo é encordoar uma raquete em 10/12 minutos””. Em torno de vinte minutos, contando a louca corrida entre a quadra, o centro de encordoamento e a volta à quadra: “”também é preciso ter perna boa””, explica Eric Ferrazzi com certo humor.

Observando esta colmeia percebe-se a seriedade, mas também o prazer: “”Meu time é composto de verdadeiros fãs experts, alguns dos quais têm até 21 anos de experiência em Roland-Garros. Mesmo trabalhando duro, conseguimos, à nossa maneira, acompanhar o torneio””. No ano passado, mais de 5.000 raquetes passaram pelas mãos do time dele, usando 58 km de corda e uma tensão média de 23,5 kg.

Um serviço personalizado aberto a todos os jogadores do torneio.

E para oferecer um serviço ainda melhor aos jogadores, a marca francesa decidiu inovar, propondo seu serviço personalizado de raquetes para todos os jogadores do torneio. Dois membros da equipe prepararam as raquetes, e as tornam idênticas em termos de peso e de equilíbrio: “”Nosso serviço personalizado funciona o ano todo para nossos jogadores contratados, pareceu-nos lógico poder propor este serviço a todos durante o torneio””. Lógico e apreciado.

Abrindo cedo de manhã e fechando tarde da noite, o Serviço de Raquete e de Encordoamento vive no ritmo da adrenalina ligada à sua atividade. E mesmo havendo dez nacionalidades na equipe, todos falam a mesma língua: a da corda, dos nós, e do famoso estêncil para realizar os logotipos das marcas: “”Desde o início de nossa colaboração com Roland-Garros, nosso desafio é simples: oferecer aos jogadores um Serviço de Raquete e de Encordoamento que seja a referência de todos os serviços do Gran Slam””.

Mais artigos